Publicado em 20 de agosto, 2019 as 08h01.

Senador questiona na Justiça suspensão de radares móveis nas rodovias federais

Por Mariana Czerwonka.

Radar móvel
Foto: Arquivo Agência Brasil.

O senador Fabiano Contarato (Rede-ES) recorreu à Justiça Federal contra a suspensão de radares móveis usados pela Polícia Rodoviária Federal. De acordo com o Senador, recentemente a própria Justiça determinou que o governo mantivesse os radares já instalados nas rodovias.

Ao citar, em entrevista à Rádio Senado, que mais de 50 mil pessoas morrem por ano e outras 400 mil ficam mutiladas ao custo de R$ 50 bilhões para os cofres públicos em decorrência de acidentes de trânsito, Fabiano Contarato acredita que o decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) será novamente derrubado.

“Um dos únicos mecanismos de eficiência e de eficácia na redução do número de acidentes de trânsito, principalmente, em rodovias federais pelo excesso de velocidade, pela conduta imprudente do motorista, é o uso dos mecanismos dos radares. Se o presidente pensa que ele vai acabar com a chamada pseudoindústria de multas, ele vai construir uma indústria de mortes”, afirmou o Senador durante a entrevista.

Entenda

Na semana passada, foi publicado no Diário Oficial da União um Despacho do Presidente da República que suspendeu o uso de equipamentos medidores de velocidade estáticos, móveis e portáteis pela Polícia Rodoviária Federal até que o Ministério da Infraestrutura conclua a reavaliação da regulamentação dos procedimentos de fiscalização eletrônica de velocidade nas estradas e rodovias federais.

Ainda conforme o Despacho, a decisão ocorre para evitar o desvirtuamento do caráter pedagógico e a utilização meramente arrecadatória dos instrumentos e equipamentos medidores de velocidade. A norma não cita os radares fixos.

Após a decisão, a PRF já determinou que todas as unidades estaduais no País recolham seus radares estáticos, móveis e portáteis das rodovias federais .

Estudos internacionais

O despacho do Presidente contraria estudos internacionais que indicam que o uso de equipamentos eletrônicos de fiscalização de velocidade é um aliado à redução de acidentes graves no trânsito.

Uma pesquisa do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) atrela a fiscalização eletrônica à redução de 60% de óbitos e 30% de acidentes no trânsito.

A Organização Mundial de Saúde também recomenda no mundo todo o uso de medidores eletrônicos de velocidade como alternativa para a prevenção de acidentes de trânsito e redução da gravidade, no caso da ocorrência do evento.

3 respostas para “Senador questiona na Justiça suspensão de radares móveis nas rodovias federais”

  1. JOSE VANDERLEI PEREIRA disse:

    Sou favorável a educação para o transito e a evolução do sistema preparatório de condutores. A multa pegadinha nao educa e causa enormes danos a quem está nas estradas trabalhando.
    Se queremos ajustar a velocidade para padrões seguros, devemos melhorar a sinalização, conservação das estradas. Os pedágios, que representam dupla tributação, o senador nao comenta. Os compromissos das concessionarias de duplicar aqui no Paraná foi ignorada por acordos e conchavos políticos.
    Demagogia já chega.
    Quando há sinalização clara a segurança de todos é preservada.
    Acho que o Senador deveria apresentar soluções mais inteligentes. Manter como está é estagnação.
    E continuamos com a violência no transito acontecendo.

  2. Alvaro Pedroso disse:

    Radar x intervenção : quem corre muito o radar deve identificar e ser parado imediatamente antes q aconteça o pior. Assim o radar funciona preventivamente
    Não da pra notificar o infrator depois. O fato perigoso ja está acontecendo.

  3. Eduardo kiyoshi ogata disse:

    O brasileiro tem que deixar de ser hipocrita em seus atos e reconhecer que é um infrator de trânsito. Quantas pessoas precisam morrer pela imprudência desses infratores. Tem que parar de ficar dizendo que é uma industria da multa, é sim falta de consciencia das consequencia dos próprios atos. Não tinha que existir sinalização de radar algum, pois os condutores passaram por auto escolas e tiveram o minimo de legislação de trânsito e sabe a velocidade que deve dirigir o seu veículo. Agora o que não pode acontecer é ficar batendo na mesma tecla que é industria da multa. O que falta é educação para os condutores, ter consciencia que não esta sozinho no trânsito, e por isso preciso existir respeito uns com outros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *