Publicado em 02 de outubro, 2019 as 14h46.

Instrutor de trânsito: dicas importantes para montar uma palestra de qualidade

Por
Capacitação de professores, ES, 2014. Acervo Tecnodata Educacional
Capacitação de professores em Linhares/ES, 2014. Acervo Tecnodata Educacional e DETRAN/ES. Fotógrafo Jorge Júnior

Você já viu em nosso Portal, especificamente na seção “Para o seu CFC”, que palestras ministradas no CFC, para alunos, para futuros clientes ou abertos a comunidade, podem ser uma eficaz ferramenta de divulgação, contribuindo de forma contundente para passar o recado de que “aqui entendemos de trânsito, de mobilidade, de cidadania, de comportamento responsável, etc”.

Por esse motivo, este artigo dá sequência ao conteúdo publicado antes da SNT 2019, e detalha outros importantes aspectos do preparo e execução de uma boa palestra.

Quem vai palestrar? Quem deve preparar a palestra?

Ambas as perguntas devem ter o mesmo nome como resposta. Claro que é possível uma segunda pessoa apresentar uma palestra elaborada por outro. Mas a chance de soar artificial e de comprometer o necessário envolvimento com o público, é enorme.

Sabe aquela história do bom dia, boa tarde ou boa noite? Dizem que um político pouco experiente pediu para que sua secretária escrevesse, às pressas, o discurso que ele iria fazer no próximo comício.

Na dúvida sobre o horário do discurso, prestativa que era, e preocupada em garantir o uso de seu texto qualquer que fosse o momento, ela escreveu no início de tudo: “Bom dia (ou Boa tarde, ou Boa noite – conforme a ocasião)…” A falta de sintonia entre redator e palestrante criou então um momento cômico e vexaminoso para o político, que em seu discurso pronunciou exatamente todas as palavras escritas no papel.

Ao som de “Bom dia, ou Boa tarde, ou Boa noite conforme a ocasião…”, o público deleitou-se em gargalhadas que estragaram o comício.

Na verdade, uma palestra não tem o rigor de um discurso político, mas como comunicação verbal predominante que é, guarda importante correlação com aquele formato. A principal semelhança é quanto à retórica do palestrante: não dá para disfarçar a falta de repertório e de eloquência na comunicação. Mas dá para pesquisar, estudar, treinar e aperfeiçoar a apresentação.

Então, nada melhor do que o próprio palestrante escrever texto-base, pois uma boa palestra começa na afinidade e no pleno domínio do conteúdo com o palestrante.

A eficiência geral da comunicação em uma palestra pode ser melhorada com o emprego de técnicas de organização dos assuntos, conforme abordado no artigo Crie sua palestra para a Semana Nacional de Trânsito (veja aqui)

O palestrante

Nem todas as boas palestras têm grandes nomes no convite. “Algumas das melhores palestras que assisti foram conduzidas por pessoas que não tinham grandes títulos no currículo ou mesmo grandes experiências na arte de palestrar. Logo entendi que, para funcionar, o que precisa acontecer é um bom momento de comunicação. E isso depende mais de acertar o tema e da abordagem do que de recursos sofisticados. Mas Steve Jobs nos ensinou que o supra-sumo desta arte, aquela união perfeita da mensagem com as ilustrações que ele tão bem fazia, não dispensa nem o bom comunicador, nem os bons recursos técnicos”,diz Celso Alves Mariano, Diretor do Portal do Trânsito e reconhecido palestrante na área de educação para a mobilidade.

Ou seja, esforço vale muito e pode compensar as limitações de um palestrante pouco experiente ou pouco conhecido.

Uma boa fala pode, de fato, ser realçada com imagens pertinentes e ilustrativas das ideias apresentadas. Mas normalmente há exageros que acabam por desvalorizar a oratória. Lembremos que, nas origens do que se entende pela arte da oratória, não se dispunha mais do que as palavras proferidas pelos oradores de outrora. Mesmo assim, dizem que os grandes filósofos gregos utilizavam imagens de apoio, rabiscando o chão com uma varinha.

Dispor somente da fala e conseguir obter um bom resultado, é talento de poucos. Um palestrante carismático e habilidoso pode conduzir uma conferência impactante apenas com palavras, frases, ritmo e entonações bem colocadas. Martin Luther King Junior, Mahatma Gandhi, Winston Churchill e Nelson Mandela, por exemplo, nunca dependeram de um powerpoint para darem seu recado às multidões.

Ok, você não é nenhum “Steve Jobs” (outro que figura em qualquer lista razoável de grandes oradores). Então, lembre-se de duas coisas: nunca dispense o apoio de uma boa apresentação de imagens (nem Jobs dispensava!), e ensaie sua palestraE algo que é sistematicamente desprezado, mas é super importante: a imagem do próprio palestrante. A voz, os gestos, a vestimenta, etc, tudo comunica e deve estar harmonizado com a mensagem que se pretende transmitir.

Cuidado com direitos autorias

Imagens, sejam gráficos, fotos, vídeos, charges ou desenhos, sempre têm um autor, um proprietário do conteúdo. Nem tudo o que você encontra na internet pode ser utilizado sem problemas. Certifique-se de utilizar apenas imagens de uso liberado. Ou obtenha autorização dos autores para utilizar estes conteúdos. O ideal é você mesmo produzir as imagens que vai utilizar.

Busque imagens free na internet: serviços especializados como o pixabay e o pexels disponibilizam um bom conteúdo royalty free que podem ser muito úteis para incrementar sua apresentação. E o tem o Google, claro, que em sua abrangência mundial, é certamente a maior fonte de pesquisa disponível. Mas atenção: para não utilizar material não autorizado, pesquise a palavra, clique no menu Imagens (logo abaixo da caixa de pesquisa), clique no Menu Ferramentas e depois em Direitos de Uso. Assim você poderá filtrar para exibição de imagens condizentes com licença que pretenda usar.

Cite suas fontes

O mesmo cuidado em relação aos autores e proprietários das imagens, vale para textos. Não tenha receio de dar o devido crédito para frases, ideias e dados que não são seus. Indicar os autores dos textos e das imagens que você está utilizando em sua palestra passa para o público dois recados contundentes: que conteúdo intelectual tem valor e que você respeita quem o produz. Isso traz para você diversos créditos como honestidade, justiça, humildade e profissionalismo, além de chamar a atenção de forma positiva para o seu próprio trabalho intelectual.

Mais uma vez vai a dica do primeiro artigo desta série: utilize o conteúdo do Portal do Trânsito. Basta cita-lo como fonte.

Recursos técnicos: do flip-chart ao apresentador de slides

Flip-chart: “Fazer desenhos no chão é coisa do passado! Nas paredes… nem pensar! Utilize o cavalete com folhas grandes, já com palavras e desenhos, ou vá escrevendo na medida em que o assunto avança”. Parece propaganda de papelaria da década de 1970. Mas acredite: vale até hoje! Este é um recurso de baixa tecnologia que tem muitas vantagens (nem sempre aparentes): não requer computador, internet ou mesmo energia elétrica. A principal desvantagem é que não será bem visualizado em ambientes mal iluminados ou para grandes públicos. Outra desvantagem é que não funciona bem para quem não tem boa caligrafia.

Quadro negro/verde e giz, ou branco com canetas coloridas: podem produzir um resultado similar ao flip-chart, porém, demandando escrita na hora, “tela após tela”. Também apresenta limitações quanto ao tamanho da platéia.

Apresentador de slides: as opções são muitas. Pagas e gratuitas. Softwares simples e sofisticados. Até mesmo o Evernote, conhecido software de anotações, possui um ótimo recurso para apresentações simples. O próprio formato PDF, pode ser uma boa opção. 

Aqui uma listinha com alguns dos mais populares softwares para você preparar e apresentar slides: Powerpoint (https://www.office.com/), Open Office (http://www.openoffice.org/pt-br/), Br Office (https://pt-br.libreoffice.org/), Prezi (https://prezi.com/), Keynote (https://www.apple.com/br/keynote/ ou https://www.icloud.com/), Google Apresentações (https://www.google.com/slides/about/) e similares (Zoho, Slides, Microsoft Sway, Canva, Spark, SwipeSlidebean, Deckset, Emaze, Knovio

De todos o mais famoso, certamente é o PowerPoint, da Microsoft. Existe uma opção free, online, que vale a pena conhecer: https://office.live.com/start/PowerPoint.aspx 

Não se esqueça: o aplicativo a ser utilizado, pode ser qualquer um, inclusive, nenhum. Isso mesmo. Uma boa palestra não depende do software apresentador de slides, mas sim do equilíbrio entre conteúdo e recursos visuais.

Prepare-se

Ensaie e cronometre sua apresentação para ter certeza que vai ocupar somente o tempo programado pela organização do evento. O ideal é que a execução da palestra fique dentro do programado. Nem mais, nem menos.

Cuidado com o excesso de confiança. Ele pode ser mais traiçoeiro do que uma real falta de habilidade com as palavras ou insegurança de falar em público.

A insegurança de falar para o público pode ser um empecilho significativo para uma boa palestra. Por isso o adequado preparo é tão importante. E muitas vezes, ouvir a opinião dos mais experientes pode ajudar muito.

“A melhor e mais útil recomendação que já recebi foi, sem dúvida, a de que eu deveria, frente à insegurança, abrir o coração para a audiência”, diz Celso Mariano.

Nada substitui a experiência – não completamente – mas a capacidade de se mostrar autêntico para a audiência é fundamental. Mariano diz que é muito melhor um depoimento simples e verdadeiro sobre o que o palestrante ou professor pensa, do que belas telas, cores e sons de uma apresentação de slides que soe distante da realidade do público.

Recursos avançados e compatibilidade

Não subestime o poder da Lei de Murphy (Se uma coisa pode dar errado, vai dar!). O cuidado com formatos e compatibilidades é fundamental para evitar desastres. Palestrantes que contam com a sorte de que seu arsenal de ferramentas e recursos irão funcionar perfeitamente na hora exata, têm inúmeras histórias de stress de última hora e de eventos que não foram tão bons quanto poderiam ter sido.

“Mesmo depois de incontáveis horas em palestras, cursos, aulas e apresentações ao longo de mais de 30 anos, às vezes, descubro que não previ tudo o que podia falhar na hora. A tecnologia é ingrata, nos dá tantas alegrias e possibilidades, mas seguidamente parece ter vontade própria, e nos deixa na mão”, diz Celso Mariano. “Dedicar-se seriamente ao preparo da palestra, conferir e reconferir todos os recursos demandados, conhecer e testar tudo no local onde ocorrerá o evento, é o mínimo a ser feito. Ainda assim, esse esforço pode não prevenir tudo, mas dá uma boa margem de segurança”, afirma.

Lembre-se que o formato do vídeo que você selecionou para exibir no momento-chave da palestra, aquele compactador estranho utilizado na hora de exportar o vídeo e incorporar o filminho no powerpoint, pode não funcionar no computador disponível no local da palestra.

Vídeos: o poder dos vídeos é inquestionável. Mas convém lembrar que falhas no preparo que resultem em problemas no momento da execução podem quebrar o clima e acabar gerando uma indesejada dispersão da atenção das pessoas, Por isso, incorporar o vídeo no arquivo da apresentação de slides é sempre melhor do que salva-lo em uma pasta separada, ou colocar apenas um link para exibição online.

Prepare alternativas

Caso você não tenha previsto a impossibilidade de mostrar uma determinada foto, gráfico ou vídeo, que falhe “na hora H”, o nervosismo pode tomar conta de você, a distração toma conta da platéia e avaliações pouco favoráveis podem tomar conta do que poderia ter sido uma palestra memorável.

Não é à toa que citamos aqui recursos de baixa tecnologia, como o flip-chart. Já o uso de recursos online para incrementar e valorizar a palestra, são ótimos, mas precisa de internet! Convém confirmar antecipadamente a qualidade do acesso disponibilizado no local da palestra.

O acesso a recursos online pode ser fundamental para mostrar, por exemplo, aquele site do órgão público, que contém um recurso que você não consegue ou não pode incorporar na sua apresentação de slides.

Por fim, a recomendação de ouro: compatibilidade em tudo! Desde o tema escolhido, que deve ser harmonizado com o momento, o local e a realidade da audiência, até os recursos utilizados, que devem estar otimizados para tornar a mensagem mais clara e persuasiva.

Veja também:

https://portaldotransito.com.br/para-o-seu-cfc/cfc-de-sucesso/crie-sua-palestra-para-a-semana-nacional-de-transito/

https://portaldotransito.com.br/para-o-seu-cfc/cfc-de-sucesso/aproveitando-ao-maximo-os-equipamentos-de-projecao-disponiveis-no-cfc-2/

https://portaldotransito.com.br/para-o-seu-cfc/ensinando-a-aprender/tutorial-do-portal-do-transito-1/

https://portaldotransito.com.br/para-o-seu-cfc/cfc-de-sucesso/recursos-didaticos-gratis/

https://tecnodataeducacional.com.br/negocios/cfcs/

8 respostas para “Instrutor de trânsito: dicas importantes para montar uma palestra de qualidade”

  1. Paulo Instrani disse:

    Ótimo e proveitoso Artigo. PARABÉNS.

  2. alessandro froes disse:

    muito boa matéria… parabéns..

  3. Walmir Dalles disse:

    Proveitoso. Matéria muito boa.

  4. GEISA ACÁCIA TAVARES disse:

    Excelente Artigo.
    Como faço para publicar um artigo

  5. Valdecir disse:

    Parabéns dicas otimas para quem está comessando a ministrar palestra sobre o tema Trânsito.
    Obrigado

  6. Marta Mariano disse:

    Boa noite! Adorei as dicas, serão de grande valia para mim. Muito obrigada!
    Vocês do Portal do Trânsito são ótimos e bem comprometidos com a melhoria do nosso trânsito.

Deixe uma resposta para Walmir Dalles Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *