Publicado em 14 de novembro, 2019 as 15h52.

Gentileza no trânsito: será que ainda existe?

Por Rodrigo Vargas de Souza.

Gentileza no trânsito
Foto: Pexels

Independentemente de onde eu esteja, seja numa escola, universidade, empresa, ONG ou seja num CFC, durante minhas palestras, como forma de quebrar o gelo, interagir com o público ou mesmo afinar os discursos, costumo perguntar à plateia “se pudessem definir em uma só palavra o trânsito, como o fariam?“. À medida que as respostas vão surgindo, procuro classificá-las e dividi-las, apontando na mão direita as palavras de cunho negativo, pejorativo; e na esquerda, os conceitos positivos que eventualmente venham a aparecer. Invariavelmente, faltam dedos àquela mão.

Parte da apresentação segue com a reflexão do porque o trânsito, geralmente, nos remete a sentimentos tão pesados e negativos. Reflexão que, constantemente, nos leva a perceber a infindável falta de empatia que há no trânsito (assunto que eu já tratei recentemente nesse outro artigo). Tema sobre o qual o DetranRS lançou nas redes sociais recentemente uma campanha chamada Movimento Empatia no Trânsito – Você no lugar do outro, que tem como principal objetivo fazer com que as pessoas possam desenvolver a capacidade de colocar-se de verdade na posição do seu semelhante, conforme o vídeo abaixo:

O fato é que eu, particularmente, embora trabalhe com educação para a mobilidade, ainda sou um pouco pessimista quanto a mudança do comportamento humano. Não quer dizer que eu não acredite em tal mudança. Muito pelo contrário! Seria até contraditório da parte de um psicólogo fazer tal afirmação… No entanto, essa mudança é lenta, gradual. Eu diria até geracional. Aqueles que acompanham o meu trabalho já puderam perceber o quanto eu sou fascinado por tecnologia, a mesma que, no meu ponto de vista, muito mais rápido que qualquer mudança de comportamento, vai nos livrar da incumbência de conduzir veículos automotores.

A pesar do meu pessimismo (e das atrocidades que presencio quase que diariamente no trânsito), volta e meia me deparo com notícias que fazem aumentar um pouco mais as minhas esperanças na humanidade. A última, referente a uma moça filipina que tomou uma atitude pra lá de empática! Assim que embarcou no táxi que chamara para voltar pra casa, Cristina Tan começou a conversar com o motorista, um senhor de 67 anos de idade, chamado Rolando Sarusad. Durante o percurso, ele falou sobre sua família e sobre os motivos que o fizeram tornar-se motorista. Como estava aparentemente exausto após um dia cheio de trabalho, Sarusad sugeriu que, para segurança de ambos, Cristina descesse e tomasse outro táxi para casa, pois, em função do cansaço, ele não sentia segurança para continuar aquela viagem.

Porém, Cristina teve uma ideia impressionantemente generosa: Insistiu para continuar a viagem naquele carro. Entretanto, ofereceu-se para assumir a direção enquanto o motorista sentava-se confortavelmente no banco de trás para descansar durante o restante do percurso. Ao final da viagem, como forma de retribuir a gentileza, o motorista sugeriu que a menina pagasse apenas a metade do valor da corrida, valor suficiente para pagar somente o combustível gasto. Cristina não só recusou a proposta, como ainda presenteou-lhe com uma gorjeta que possibilitou que ele tirasse o resto do dia de folga.

Espero sinceramente que, um dia, notícias como essa não tenham mais que ser divulgadas, pois passem a ser algo tão natural no nosso dia a dia que não faça sentido algum publicá-las.

Uma resposta para “Gentileza no trânsito: será que ainda existe?”

  1. Dérvia disse:

    Boa noite.
    Realmente tem pessoas apressadinhas. Só que notei uma coisa muito interessante e isto faz parte da minha realidade no trânsito faz um tempo.
    Notei que gentileza gera gentileza. Quando vc se dispõe por exemplo deixar um veículo entrar na via .. sempre depois alguém fazia isto por mim. Quando numa rodovia no perímetro urbano que geralmente é muito tumultuado ( devido às tesouras… devido aos pardais) e tem um veículo que está em outra faixa e precisa passar par a a faixa que estamos..pq precisa sair da própria rodovia.. . Sempre dou espaço. O que acontece? 100% consegui fazer o mesmo quando precisei.
    Então assim… quando nos colocamos no lugar do outro… sempre tem alguém que faz o mesmo por mim. Isto se chama EMPATIA. E queira ou não isto volta pra gente. É o Universo conspirando o bem aos que fazem o bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *