Publicado em 15 de dezembro, 2018 as 08h10.

Trânsito e Cidadania: tem tudo a ver!

Por Agência de Conteúdo.

Cidadania no trânsito
São várias as atitudes que formam o papel dos cidadãos em relação ao trânsito. Foto: Divulgação.

Em todos os locais em que há circulação e interação do nosso cotidiano, há a exigência de uma postura cidadã. Isto faz parte do que envolve o direito civil e deveres de todos. Por isso, a cidadania também é uma atitude a ser exercida no trânsito.

Contudo, por vezes, acabamos deixando a coerência, em relação a postura cidadã, de lado. Exigimos de outras pessoas a atitude que, em determinadas situações, não fazemos. No trânsito é possível perceber isso de um jeito muito comum.

É, por isso, que devemos cooperar para que haja segurança no trânsito, de modo a cumprir todas as normas disponíveis pelo CTB – Código de Trânsito Brasileiro.

Colaborando com o trânsito a partir da cidadania

São várias as atitudes que formam o papel dos cidadãos em relação ao trânsito. O primeiro ato que é possível mencionar aqui é, com certeza, a cooperação de todos, bem como o respeito.

Baseando-se nas normas estabelecidas pelo Código de Trânsito, o condutor assume uma postura que evita atrapalhar demais pedestres e condutores em relação ao fluxo do trânsito.

Pensando na segurança de todos e não somente na individual, o trânsito se torna um ambiente cooperativo e seguro. Para tanto, os condutores precisam seguir à risca as normas que observam manter a segurança e que possibilitam, de forma direta, que outros condutores ou pedestres estejam a salvo, sempre.

Sinalizar, por exemplo, é um gesto pequeno mas que evita inúmeros acidentes. A redução da velocidade ao ficar próximo a faixa dos pedestres também. Respeitar as normas e os demais presentes no trânsito é uma forma de cidadania.
Deixando de exercer a cidadania no trânsito

Considerando o exercício de cidadania, podemos dizer que tal atitude, em grande parte do tempo, é pensar mais no outro do que em si mesmo. Mas isto é um cenário que poucos colaboram para que exista. Deixar de exercer a cidadania no trânsito coopera para que existam mais acidentes e conflitos.

Quando há o desrespeito do direito à passagem, que é estipulado pelos sinais, tanto para o automóvel quanto para os pedestres, é uma atitude que compreende a falta de cidadania e de segurança. Este desrespeito é contra leis de trânsito, de modo a infringir o artigo 208, respectivo a lei 9.503 do CTB – Código de Trânsito Brasileiro.

Ao passo que os acidentes sejam provocados pelo consumo de álcool, embriaguez, velocidade excedida ou, ainda, uma indevida ultrapassagem, esta cidadania não está em exercício. Todas as ações relacionadas ao trânsito são capazes de prejudicar ou não a vida de alguém, e principalmente a de si.

Cidadania e trânsito devem compactuar efetivamente para que não estejam dispersas uma da outra. Ser cidadão é respeitar as normas, direitos, deveres e não cometer infrações que possam prejudicar a vida de todos os envolvidos neste ambiente. É imprescindível exercer a cidadania e pensar sempre no outro, principalmente quando se está dirigindo.

A segurança faz parte da cidadania, assim como o trânsito precisa ser um ambiente seguro para ser frequentado sem problemas!

Conhece alguém que precisa prestar mais atenção no trânsito? Compartilhe estas informações!

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *