Publicado em 20 de maio, 2019 as 08h14.

Questão de prova: com quantos anos a criança pode passar para o banco da frente?

Por Mariana Czerwonka.

Criança no banco da frente
A legislação permite que crianças a partir dos dez anos de idade sejam transportadas no banco da frente do veículo. Foto: Arquivo Portal do Trânsito.

Pode parecer simples, mas uma questão que está caindo em prova no Detran/SP tem causado confusão entre alguns instrutores de trânsito. Afinal, com quantos anos é possível passar a criança para o banco da frente do veículo?

De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), as crianças com idade inferior a dez anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo exceções regulamentadas pelo CONTRAN. Como o Direito não é uma ciência exata há interpretações distintas quanto a essa idade.

Sérgio Watanabe, Diretor de Ensino de um Centro de Formação de Condutores (CFC) em São Paulo, levantou essa dúvida. Para ele, a idade correta para sentar no banco da frente seria só a partir dos 11 anos. “É preciso analisar o Anexo IV da Res.277/08. É claro e nítido que inferior ou igual a dez anos precisa se sentar no banco de trás e a frente somente com 11 anos completos conforme anexo que complementa o artigo do CTB”, argumenta o professor.

O Portal do Trânsito consultou o Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran/SP) e outros especialistas que não concordam com a interpretação do Diretor do CFC.

De acordo com nota enviada pelo Detran/SP, a partir dos 10 anos já é possível sentar no banco da frente do veículo.

“O artigo 64 do Código de Trânsito Brasileiro estabelece que as crianças com idade inferior a dez anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo exceções regulamentadas pelo Contran. Ou seja: a partir do momento que a criança completar 10 anos de idade poderá sentar no banco da frente”, explica a nota.

Ainda conforme o órgão “a exceção regulamentada na resolução Contran nº 277 de 2008 estabelece a possibilidade de transportar crianças com até 10 anos no banco da frente em veículos que possuem apenas bancos dianteiros, utilizando-se sempre do equipamento de acordo com o limite de peso e a idade da criança. O transporte no banco dianteiro antes dos 10 anos, desde que com a cadeirinha adequada, também é permitido se a quantidade de crianças for maior do que os assentos traseiros e quando os assentos traseiros só forem dotados, de fábrica, com cintos do tipo subabdominal, de dois pontos”, finaliza o Detran/SP.

A ONG Criança Segura também interpreta a legislação da mesma forma que o Detran/SP.

“A partir dos 10 anos de idade a criança pode ser transportada no banco da frente do veículo. Antes dessa idade ela deve permanecer no banco de trás do automóvel”, alerta Vanessa Machado, assessora de comunicação da ONG.

O mesmo entendimento tem a Polícia Rodoviária Federal (PRF). “De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no artigo 64, as crianças com idade inferior a dez anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo exceções regulamentadas pelo CONTRAN. Portanto, a criança menor de dez anos poderá ser transportada no banco da frente nos casos onde o veículo possua apenas o cinto de segurança do tipo subabdominal. Nesses casos, a criança deve utilizar o dispositivo de retenção adequado para sua idade. Também poderá ocupar o banco da frente quando a quantidade de crianças com esta idade exceder a lotação do banco traseiro, sendo que neste caso, a criança de maior estatura ocupará o banco dianteiro. A PRF fiscaliza diariamente este tipo de infração baseada no CTB. Visualizando a infração, o motorista é autuado em R$ 293,47, sete pontos na CNH e o veículo é retido até que seja sanada a irregularidade”, explica o órgão.

Segurança
A conclusão é que a legislação permite que crianças a partir dos dez anos de idade sejam transportadas no banco da frente do veículo, porém talvez nem todas estejam preparadas.

A ONG Criança Segura explica que outros aspectos, além da idade, devem ser observados.

“Os cintos de segurança são projetados para proteger adequadamente pessoas com mais de 1,45 m. Com essa altura, o cinto passa nas partes fortes do corpo (ombro, meio do peito e quadril). Além disso, o banco traseiro, em caso de colisão frontal, pode ser mais seguro pois o impacto vai sendo absorvido pela frente do carro”, finaliza Machado.

Matérias relacionadas:

Questão de prova: devemos desligar ou não o airbag ao transportar crianças?

Por que o sistema ISOFIX é o mais seguro para o transporte de crianças?

Quando a criança pode deixar o assento de elevação e usar somente o cinto de segurança?

5 respostas para “Questão de prova: com quantos anos a criança pode passar para o banco da frente?”

  1. Sergio N Watanabe disse:

    Li por várias vezes a resolução e artigos acima e vejo um grande erro do legislador que coloca de forma errada no texto pois menores de 10 anos é 9 e claro que desta forma o condutor não pode ser punido quando este transportar crianças com dez anos no banco da frente salvo exceções previstas pelo CTB mas a própria resolução 277 corrige pelo anexo 1 obrigando ” na forma prevista no anexo desta resolução” o anexo 4 desta mesma resolução que diz claramente ” crianças com idade superior a 7 anos e meio e menor ou igual a dez anos” banco de trás com o cinto de segurança. Não coloco mais a interpretação mas uma posição do CONTRAN e DENATRAN e da Escola pública de trânsito de SP que em banco de questões da prova teórica dava como errada quem coloca-se como 10 anos esta permissão e agora como resposta para este portal diz que com 10 anos pode se sentar no banco da frente, ou estes especialistas da EPT não sabem como interpretar prejudicando diversos alunos que foram reprovados por esta questão que trás confusão ou o legislador corrige qual a sua intensão na lei. Para minha interpretação o anexo corrige a lei mas como neste artigo sou opinião vencida tanto por este portal e seus especialistas e pelo próprio EPT de SP onde ainda aguardo o seu posicionamento e do próprio CONTRAN que enviarei tal dúvida. Agradeço a este portal e peço que leve como ajuda e não como crítica as minhas colocações mesmo que seja contrárias as matérias aqui expostas. Sou seguidor de vocês e acho muito importante para a evolução dos profissionais do setor, pena que em grande volume que temos de pessoas envolvidas somente 0,01% buscam estar informados ou conectados as evoluções do setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *