Publicado em 30 de julho, 2019 as 15h40.

Até 2030, acidentes de trânsito serão a sétima maior causa de morte, aponta relatório da WRI e Banco Mundial

O estudo mostra também que velocidade reduzida em áreas urbanas não só diminui a taxa de acidentes, como também pode reduzir o efeito estufa

Por Assessoria de Imprensa.

Assessoria de Imprensa Perkons

por Paula Batista

Estudo sobre acidentes
A diminuição da velocidade é um importante fator para salvar vidas. Foto: Perkons

Evidências de 53 países e mais de 20 anos de experiências políticas representativas mostram que vias seguras salvam vidas. Essa é uma das principais conclusões da mais nova pesquisa do World Resources Institute (WRI) e do Global Road Safety Facility (GRSF) do Banco Mundial, chamada “Sustentável e Seguro – Visão e Diretrizes para Zerar as Mortes no Trânsito”. Conforme o estudo, as fatalidades decorrentes de acidentes de trânsito são a 10ª principal causa de morte no mundo, responsáveis pela perda de 1,25 milhões de vidas a cada ano.

Conforme os dados apresentados, os acidentes de trânsito são a principal causa de morte de pessoas na faixa entre 15 e 29 anos. A realidade é ainda mais grave nos países de baixa e média renda, com uma taxa de mortalidade no trânsito de 24 e de 18 pessoas a cada 100 mil habitantes respectivamente. A conclusão é implacável: se ações não forem tomadas agora, até 2030 o trânsito será a sétima maior causa de morte no mundo inteiro.

Trânsito mais seguro: uma questão de saúde

O estudo mostra também que as velocidades reduzidas, em áreas urbanas, não só diminuem a taxa de acidentes como também podem reduzir a emissão de gases de efeito estufa. Desenhos viários que limitam a velocidade e permitem uma condução mais suave, sem a necessidade de acelerar e desacelerar intensamente contribuem para reduzir as emissões de dióxido de carbono em cerca de 30%, auxiliando em melhores condições de saúde da população.

Outro fator apresentado é que a substituição dos cruzamentos semaforizados por rotatórias, na Suécia, por exemplo, resultou em diminuição do consumo de combustível e das emissões, bem como na redução do risco de colisões em 40%. Ou seja, reduzir a velocidade não só salva vidas como pode também dar retorno econômico e melhorar a qualidade de vida.

O relatório aponta ainda que a velocidade determina a gravidade dos acidentes e lesões. Ela afeta também a possibilidade de evitar um acidente, porque as velocidades mais elevadas reduzem a capacidade dos motoristas de parar a tempo, diminuem a margem de manobra para evitar um problema, tornam mais difíceis as manobras em curvas ou esquinas e fazem com que os outros usuários julguem incorretamente o tempo de aproximação dos veículos. Até mesmo pequenos acréscimos na velocidade resultam em aumentos significativos nos riscos.

“Já sabemos que velocidade aumenta exponencialmente a possibilidade de morte em caso de acidente. Se atropelado por um automóvel a 32km/h, um pedestre tem 30% de chance se sobreviver ileso. Já em uma batida a 64km/h, essa chance é de 0%. A velocidade pode e deve ser gerenciada através de vários elementos do sistema, incluindo um desenho viário consistente e boa administração das vias, limites adequados de velocidade, regulamentação desses limites, equipamentos de fiscalização eletrônica e informação sobre os impactos da velocidade empregada”, diz o especialista em trânsito e diretor da Perkons, Luiz Gustavo Campos. “Infelizmente, morte sempre vem à mente quando falamos em trânsito. Acidentes, sequelas, perda de vidas no trânsito, são expressões comuns quando esse é o assunto. Mudar esse cenário é urgente. A violência viária tem que acabar”, completa.

2 respostas para “Até 2030, acidentes de trânsito serão a sétima maior causa de morte, aponta relatório da WRI e Banco Mundial”

  1. Enquanto os utentes do trânsito não conhecerem as causas mais frequentes doas acidentes e não conhecerem os procedimentos duma direção verdadeiramente segura, pouco irão diminuir, as mortes nas estradas!

  2. Marcos disse:

    Os gestores devem investir no transporte coletivo. Hoje, o transporte individual privado via apps (uber, 99 etc) tem colocado nas ruas um número infinito de condutores sem treinamento. Estes condutores transportam nosso bem mais valioso, a vida.
    Há de se repensar a quantidade, o cadastro e a correta fiscalização do serviço.
    Sem limites, teremos mais poluição, uma piora ds MOBILIDADE URBANA e infelizmente mais mortes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *