Publicado em 12 de dezembro, 2018 as 15h30.

Sinalização: usando a imaginação

Por
Sinalização no trânsito
Foto: Freeimages.com

Vamos fazer um exercício de imaginação: pensar em um mundo onde nada seria sinalizado. As fachadas das lojas não teriam nada escrito, as ruas sem linhas divisórias, sem placas indicativas nos direcionando, o transporte público não teria letreiros, nada que os identifiquem como veículos de transporte público. Táxis, aviões…. sem qualquer identificação. Qual seria o resultado disso? No mínimo uma confusão! Talvez até fosse fácil viver nesse mundo hipotético se estivéssemos acostumados a essa realidade. Talvez fosse o caos, o que é mais provável.

O motivo desse exercício de imaginação é mostrar a importância da sinalização no trânsito. Não há como viver em um ambiente complexo como o das cidades sem que tenhamos uma sinalização eficiente, seja para nos direcionar, seja para sinalizar locais de estacionamento, parada, lojas, hospitais, enfim, tudo o que nos cerca. A sinalização, muito mais que placas, serve para facilitar a nossa vida, o nosso dia a dia.

Contudo, o que vemos, em grande parte das cidades, ou o que não vemos, é sinalização correta. Placas indicativas que só são entendidas por quem as posicionou, que são colocadas sem o menor critério, sem estudos preliminares tornando o trânsito das cidades ainda mais confuso e complicado.

Nosso papel, enquanto cidadãos, é também cobrar a melhoria da sinalização das nossas cidades.

Por outro lado, de nada adianta essa cobrança se não fizermos a nossa parte. É essencial para auxiliar o trânsito, que cada uma assuma a sua parcela de responsabilidade: condutores devem sinalizar todas as movimentações e manobras que farão com seus veículos, inclusive os ciclistas! A SETA é tão pouco utilizada pelos condutores que, muitas vezes, imagina-se que alguns veículos não vêm com ela de fábrica. Parece que se trata de um acessório, que é opcional! Como é possível saber para que lado o veículo irá, qual movimento fará a seguir se não sinalizar: seguirá em frente? Fará uma conversão a direita, talvez a esquerda, um retorno?

A quantidade de acidentes causados pela falta de sinalização é espantosa! E, o que muitos condutores esquecem, depois de ter a sua CNH, é o que aprenderam nos CFCs: Art. 196 do CTB:

“Não usar sinal luminoso ou gesto indicador de mudança de direção, mudança de faixa ou parada” é uma infração grave, passível de multa no valor de R$ 195,23 e acréscimo de 5 pontos no prontuário do condutor.

Independente de autuações, trata-se de uma questão de segurança. Temos que deixar de fazer as coisas pesando nas punições. Devemos nos concentrar em fazer o que é certo sempre, mesmo quando não estamos sendo fiscalizados, quando ninguém está olhando. Isso é, muito mais que uma questão legal, é ser cidadão, consciente de sua responsabilidade na prevenção de acidentes e preservação da vida!