Publicado em 22 de novembro, 2016 as 15h43.

Mexer no bolso do “condutor”… (Você aprova?)

Por ACésar Veiga.

bolso-vazio1º de novembro é dia em que se comemora a “festum omnium sanctorum”, conhecida habitualmente como “festa do Dia de Todos os Santos”.

A data é celebrada pelos seguidores das muitas igrejas da religião cristã, e não custa enfatizar que ela felicita todos os santos e da mesma forma os mártires…(sejam estes conhecidos ou não)

Mas também foi a partir deste mesmo dia que os motoristas, ficaram à mercê de pagar mais caro por determinadas infrações. (algumas até mudaram de categoria)

A solução (se é que existem opções) é adaptar-se à nova realidade, pois do contrário quem não se preparar sentirá no orçamento.(e essa história sim, pode não ter um final feliz)

Mas olhem o que nasceu sob esta nova ótica:

– nas estradas a ultrapassagem perigosa – em faixa contínua –, também será combatida com mais rigor e a penalidade financeira é de R$ 1.467,35.

– usar vaga de idoso ou de pessoas com deficiência: o corretivo é de R$ 293,47;

– utilizar celular no volante: gorjeta aos cofres públicos de R$ 293,47;

– negar-se a fazer o “teste do bafômetro” – cabe repetir que o termo adequado é o “teste do etilômetro”…(OBS1: o “bafômetro”, caso existisse, mensuraria o mau hálito)…é infração gravíssima, ou seja, o valor a ser pago é de R$ 2.934,70, além da suspensão da CNH – Carteira Nacional de Habilitação – por 1(um) ano. (OBS2: é igual à punição mínima para quem tenha ingerido bebida alcoólica e o teste acusou “positivo”)

O veículo também será retido até a chegada de um condutor habilitado a dirigir. (Se o motorista se “negar outra vez” a passar pelo teste, no prazo inferior de 1(um) ano, a punição terá o valor dobrado, chegando a R$ 5.869,40)

Estas são algumas das alterações, mas há outras…e para que você não fique com a cabeça coçando por dentro, sugiro consultar sites especializados sobre o tema. (Uma forma preventiva de não aguardar que o desconhecimento lhe conceda uma guinada da sorte)

Dizem que no ambiente capitalista o bolso é a parte mais sensível do ser humano…Julgo que a frase contenha um equívoco, pois a parte mais sensível e vulnerável do ser humano deve e deveria ser sempre, a “moral”.

Aquela moral, que não faz ser escravo do extinto. (ela mesma)

Ou se preferir amavelmente observe o “dizer” poético:

– “Moral”, aquela virtude que a muitos está fazendo falta, quase em desuso…

Resumindo, a vigilância e a punição para com o “cidadão deficitário” faz-se necessário, pois ainda estamos miseráveis de uma boa formação moral. (e enfatizo que seria bem ai que deveríamos remexer)

Por vezes não considerando, estamos todos perante o perigo simplesmente como restasse somente sobreviver.

Alguns, como eu, iguais ao vaga-lume na escuridão, caminham no incerto e idolatram a dúvida.

Mas e quando tomamos entendimento disso, o que fazer com esse conhecimento?

– Bem, admito…devemos enfatizar que sempre haverá um preço a pagar pela transgressão.

Nada mais justo…(e isto deve estar tão convicto quanto o mar é salgado)

Permitam-me deixá-los em suspense quanto ao resultado final destas divagações, enquanto conto alguma coisa para vocês sobre o “artífice” deste projeto…

O “artesão” por assim dizer, foi à comprovação de que as “vias urbanas” e “estradas”, assumiram posição de necrotérios a céu aberto. (feito o inimigo engenhoso e determinado)

Segundo estatísticas, as mortes por imprudências no trânsito brasileiro aumentam a cada ano. (apesar de “alguns” discordarem, dizendo que o número informado está relacionado “sim” ao número maior de automóveis nas ruas e também a quantidade de condutores com CNH. Seriam as leis das probabilidades em disfarce)

O que tenho a dizer é que verdadeiramente, perdemos a competência em saber o real valor de certas coisas e assim a vida, para muitos, tornou-se “solitariamente” uma sucessão de necessidades individuais…(e o resto acanhado ficou a acreditar que tudo tem que ser como sempre foi)

E é por isso que os riscos percebidos são frequentemente diferentes dos reais.

Julgo que a sociedade não deseja que os futuros problemas fiquem nas mãos da Divina Providência e que qualquer cidadão não “adule” mais suas imprudências. (isso não cheira a apelo público?)

Espero assim ter oportunizado um monte de indicações atrativas com este “mix” de cidadania e de um desejo íntimo desmedido…

E no “não comparecimento” de uma resposta imediatista, pergunto:

– Onde tudo isso nos deixa?

E apelando ao “resguardo”, concluo que tudo que podemos fazer são algumas simples e boas adivinhações…

Uma delas se refere à ocorrência do condutor não respeitar normas do trânsito.

Portanto, o órgão fiscalizador diz claramente o que os motoristas devem ou não fazer, e apesar de considerá-las desgastantes, as multas são positivas e necessárias para o aprendizado de valores e regras.

Que o debate sobre o tema não seja escasso nem simplista…que tenhamos consciência que está ocorrendo um desmatamento das “atitudes responsáveis”. (atitudes estas que sempre correm na direção do “burlar”, do “prazer imediato” e do individualismo)

Bem, queiram ou não, é chegada a hora…e a cidadania está fazendo a “chamada social”…

Você deve responder que está “presente”. (está?!)

É do conhecimento geral que o desejo não nasceu para ser realizado, pois o desejar é a grande alegria…

Quero acreditar na ordenação moral e ética da sociedade, antes que sejamos crucificados dentro da consciência anti-cidadã.

E que assim tornar-se um “bom cidadão” não seja apenas uma diversão, mas uma devoção…quase uma oração.

Desejo que por mais agudos que sejam as hostilidades de opinião, por mais autênticos a até incendiários que sejam as pelejas sobre o assunto, possa a genuína lealdade à causa comum, sempre triunfar sobre os interesses individuais.

  • Reinaldo

    Infelismente Sr. Acesar Veiga, a mentalidade dos gestores de transito, em nosso país, não tem a capacidade de melhorar o respeito as leis já existente, como fazer campanhas educativas, isso não gera lucros, parabéns pela postagem.