Publicado em 28 de junho, 2016 as 14h26.

Comunicação no trânsito é fundamental – III

Por Celso Mariano.

Comunicação no trânsito
As pessoas, no geral, subestimam os perigos potenciais do trânsito.

Sou da comunicação. Amo rádio e tenho uma paixão por televisão. Com as redes sociais e todo esse universo online ofertado pelas múltiplas possibilidades da internet, ainda estou só flertando. Me conformo por perceber que, possivelmente, ninguém realmente lida bem com isso. Também sou o “carpinteiro” que, por ter como únicas ferramentas o martelo e o serrote, penso que todos os problemas são prego e madeira. Analogias à parte, vejo o mundo pela ótica da educação e da comunicação. Eis minhas ferramentas. Me dedico integralmente aos assuntos que interligam valores, conhecimentos e comportamentos. Os desafios da vida em sociedade são, para mim, particularmente instigantes. Eis minha oficina cheia de pedaços de madeira pedindo aparos e pregos à espera de marteladas.

Neste cenário saltam aos olhos os tropeços que todos vivenciamos nesta jornada de uma humanidade que ainda perde a saúde, a qualidade de vida e até encontra antecipada e estupidamente a morte, por motivos toscos, pueris, idiotas. De todas as barbaridades que incrivelmente ainda nos permitimos, como sociedade, penso que posso ajudar com algumas marteladas nas áreas de promoção à saúde, segurança no trabalho, meio ambiente e sustentabilidade e, claro, trânsito. O que eles têm em comum?

Todas podem melhorar muito com melhora da percepção de riscos e com educação. E tudo começa com uma melhora na comunicação.

Por isso comemoro a atenção dos jornalistas, redatores, pauteiros, repórteres e comunicadores para estes temas. Com razoável frequência tenho sido convidado para participar de programas de rádio, TV e de entrevistas para os mais variados formatos de conteúdo em texto, para sites, jornais, revistas. Muito bom perceber o crescente interesse destes profissionais e dos veículos de comunicação por temas como o trânsito, que considero um dos mais urgentes da vida moderna. Porque comunicação no trânsito é fundamental!

No último dia 16 deste mês de junho conversei ao vivo, por telefone, com o radialista Adilson Arantes, da Rádio Difusora de Curitiba. Dividi o áudio da conversa em 4 etapas (abaixo). O ensejo foi a implementação de mais uma via calma na cidade. Este assunto foi o início da conversa em que falamos das dificuldades que todos temos com as restrições, da importância de compreendermos de forma mais profunda os motivos das regras, imposições e limitações, para diminuir o stress, e sobre o exercício das críticas no fórum correto, para que as boas ideias possam ser aproveitadas.

 

Um dos maiores problemas que enfrentamos no trânsito é a intolerância, geralmente resultante de uma combinação do perfil de cada pessoa com o tanto que ela sabe – ou pensa que sabe. As pessoas, no geral, subestimam os perigos potenciais do trânsito. Não existe segurança absoluta quando o assunto é mobilidade já que o trânsito é, absolutamente, um imprevisível festival de diversidades. Perceber, reconhecer e respeitar isso é fundamental para a segurança. Ah, como faz falta a educação para o trânsito!

 

Depois falamos sobre os estressantes congestionamentos. Mesmo em Curitiba, onde o problema é relativamente pequeno, sofremos. E, claro, reclamamos. Nossa aldeia é todo o nosso mundo, nestes casos. Ponderei que usarmos de forma mais distribuída os deslocamentos em diversos modais de mobilidade, ainda é a melhor – e necessária – saída.

 

Conversamos sobre alternativas que são, basicamente, utópicas – mas não totalmente – como distribuir os deslocamentos ao longo do dia. Também falamos sobre os exemplos de outros países que poderíamos – deveríamos – seguir. Ou, minimamente, nos inspirar. Não “reinventar a roda”, é mais do que agir com inteligência, é usar bom senso.

 

Por fim, agradeço a todos, jornalistas ou não, que dividem comigo a tarefa de “serrar e pregar” mais comunicação e educação para o trânsito.