Publicado em 03 de março, 2016 as 12h58.

O agente transformador do trânsito

Por Mariana Czerwonka.

Transformação no trânsito
O homem é peça fundamental nesse cenário.

Esse é realmente um assunto batido, mas decisivo quando trata-se do trânsito.

Muitas vezes nós não nos damos conta de que mudar algo que parece complexo, pode estar em nossas mãos. No trânsito, isso é fundamental.

Atitudes positivas e preventivas, bom relacionamento, respeito e valores bem definidos podem ser a diferença entre um condutor que não se envolve em acidente, que não comete infrações e que diminui riscos, de outro que vive em perigo constante.

Refletir sobre atos praticados ao volante é o primeiro passo para o autoconhecimento e para a mudança de comportamento. Ter paciência é o segundo. O trânsito é o espaço ideal para exercitarmos nossa calma e tranquilidade diante de situações que testam nossa sanidade e serenidade.

E não foi à toa que usei a palavra “exercitarmos”. Nossa vida no trânsito é um exercício constante. Uma provação, eu diria. Por exemplo, sabemos que utilizar o celular ao dirigir é tão perigoso quanto dirigir embriagado e mesmo assim fazemos. O autocontrole é essencial. Temos que ter força de vontade de não falar ao telefone, não responder ou enviar aquela mensagem. É uma decisão que só cabe a nós. É como fazer uma dieta, o sucesso ou fracasso só depende de nós mesmos…

O meu objetivo com esse texto é continuar batendo na tecla de que o homem é peça fundamental nesse cenário. Existem outros problemas, outras falhas? É claro que sim, mas um mundo melhor também está em nossas mãos. Eu, você, nós todos juntos somos capazes de transformar…de mudar…de melhorar…temos que acreditar nisso e colocar nossos conhecimentos e valores em prática.