Publicado em 17 de fevereiro, 2017 as 14h40.

BR-277 tem aumento de 20% em panes durante temporada de verão 2017

Somente no mês de janeiro, Ecovia realizou mais de dois mil atendimentos

Por Mariana Czerwonka.

Leandro Cordeiro

Assessoria de Imprensa

Pane na estrada
Remoção de veículo danificado. Foto: Leandro Cordeiro.

Desde o começo da atual temporada de verão, mais de 1,1 milhão de veículos trafegaram pelas rodovias administradas pela Ecovia: BR-277, no trecho entre Curitiba e Litoral, e PRs 508 e 407. O volume é similar ao da temporada 2015/2016, mas o total de veículos atendidos por pane nas estradas aumentou em 20% no mesmo período. O fator de maior influência neste aumento é a falta de manutenção veicular.

Somente no mês de janeiro passado, a Ecovia realizou mais de mil remoções veiculares por pane mecânica, quando o veículo apresenta problemas de motor. Isso representa mais de 50% do total de ocorrências nas rodovias administradas pela concessionária. O segundo principal motivo de remoção é o pneu furado com 85 registros no primeiro mês do ano. Para dar conta desse aumento de ocorrências, a concessionária ampliou em 80% o número de veículos/guinchos para atendimento aos usuários.

“Tanto a pane mecânica, quanto os problemas com pneus podem ser evitados com medidas preventivas e cuidados com o kit de pneus do veículo. Antes de pegar a estrada para viagem, o condutor deve fazer uma revisão no automóvel, verificando os itens básicos, como nível de óleo, filtros, freio e até calibragem, além do abastecimento de combustível, que precisa ser suficiente para toda a viagem”, orienta o gerente de Atendimento da Ecovia, Raul Boff.

Boff destaca que, além do incômodo para o próprio viajante, que precisa interromper a viagem por falta de manutenção veicular, as panes secas e mecânicas comprometem também a segurança viária, pois refletem no fluxo normal de veículos pela rodovia, mesmo quando são usados somente os acostamentos. “Quando um automóvel para sobre a rodovia, ele pode causar inúmeros problemas, desde retenções até a exposição de motorista e passageiros aos riscos da rodovia, principalmente no trecho da serra, que possui curvas sinuosas”, explica o gerente.

As informações são da Assessoria de Imprensa