Publicado em 28 de março, 2017 as 17h11.

Palmas, Macapá e Brasília são as capitais com piores índices de mortes de crianças por acidentes de trânsito

Projeto da Criança Segura em parceria com a FedEx irá desenvolver ações de prevenção de acidentes em cidades com altos índices de mortes de crianças no trânsito

Por Mariana Czerwonka.

Vanessa Machado – Assessoria de Imprensa

Criança no trânsito
O objetivo é contribuir para a redução do número de mortes de crianças por esse tipo de acidente em todo o país. Foto: Arquivo Tecnodata,

No Brasil, o trânsito é a principal causa de morte acidental de crianças de zero a 14 anos de idade. Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2014, 1.654 crianças dessa faixa etária morreram devido a esse tipo de acidente no país.

Um estudo realizado pela Criança Segura mostrou que, em 2014, a média nacional de mortes no trânsito desse segmento da população foi de 3,76 a cada 100 mil crianças e adolescentes de zero a 14 anos. Entretanto, alguns estados e capitais apresentam dados superiores a esse.

De acordo com um ranking produzido pela organização, as 12 capitais brasileiras com os piores indicadores são, respectivamente: Palmas (TO); Macapá (AP); Brasília (DF); Goiânia (GO); Rio Branco (AC); Belo Horizonte (MG); Campo Grande (MS); Belém (PA); Teresina (PI); Porto Velho (RO); Curitiba (PR) e Rio de Janeiro (RJ).

Confira na tabela abaixo o ranking com dados completos.

Essa pesquisa faz parte do projeto Walk This Way, uma parceria da Criança Segura com a FedEx, que irá desenvolver ações para prevenção de acidentes no trânsito com crianças e acompanhar a evolução dos indicadores de segurança  viária nesses municípios pelos próximos quatro anos. O objetivo é contribuir para a redução do número de mortes de crianças por esse tipo de acidente em todo o país.

Para isso, a organização enviou uma carta a todas as Secretarias de Educação, Transporte e Saúde dos municípios que estão no topo do ranking convidando-os para que participem do projeto. Nesse documento, foram apresentados os dados referentes aos óbitos infantis no trânsito de cada localidade e a Criança Segura se disponibilizou a unir forças com o poder público para transformar essa triste realidade, oferecendo uma formação online para prevenção de acidentes no trânsito aos profissionais desses municípios que atuam com o atendimento de crianças e adolescentes. Além disso, um Guia de Boas Práticas deve ser produzido e entregue a todas as cidades participantes.

“No Brasil, aproximadamente quatro crianças morrem todos os dias vítimas de acidentes de trânsito. Esse número poderia ser muito menor se algumas medidas de prevenção fossem adotadas, como a redução do limite máximo de velocidade nas vias e o aumento da fiscalização do uso da cadeirinha. Com o Walk This Wayqueremos mostrar o impacto que educação para prevenção de acidentes pode causar na realidade das crianças do país”, explica Mariana Lorencinho, coordenadora de projetos da Criança Segura.

Para atingir ainda mais pessoas com o projeto, além das 12 capitais com piores indicadores de morte de crianças no trânsito, a organização também analisou os dados de municípios com mais de 1 milhão de habitantes e convidou São Paulo, Guarulhos e Campinas a integrarem o projeto. Com isso, o alcance das ações poderá ter um impacto ainda maior na defesa da segurança das crianças.

Cidade

População até 14 anos

Capital

Estado

0 Brasil

43.947.482

3,76

1 Palmas – TO

64.468

7,76

8,44

2 Macapá – AP

129.622

6,17

5,84

3 Brasília – DF

627.046

5,90

6,00

4 Goiânia – GO

277.244

5,41

6,16

5 Rio Branco – AC

101.719

4,92

2,77

6 Belo Horizonte – MG

453.475

3,75

3,81

7 Campo Grande – MS

182.229

3,29

5,97

8 Belém – PA

328.747

3,65

3,83

9 Teresina – PI

195.302

3,58

5,49

10 Porto Velho – RO

117.450

3,41

4,95

11 Curitiba – PR

354.926

3,38

4,59

12 Rio de Janeiro – RJ

1.239.911

3,55

3,47

13 *São Paulo – SP

2.362.214

2,24

2,70

14 *Guarulhos -SP

304.027

5,26

2,70

15 *Campinas -SP

211.806

3,95

2,70

Fonte: Datasus – 2014

As informações são da Assessoria de Imprensa

No tópico: