Publicado em 05 de setembro, 2017 as 08h09.

Psicólogos defendem Avaliação Psicológica na Renovação da CNH

Por Mariana Czerwonka.

Exame de aptidão física e mental
De acordo com o Ministério das Cidades o público em geral pode participar das sessões da consulta pública e apresentar contribuições escritas à proposta.

O Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN) publicou no dia 28/07 a proposta da minuta que irá substituir a Resolução 168/04 do CONTRAN, que trata da formação e especialização de condutores no Brasil. Também abriu um processo de consulta pública para que a sociedade possa contribuir com sugestões e alterações no texto final.

De acordo com o Ministério das Cidades o público em geral pode participar das sessões da consulta pública e apresentar contribuições escritas à proposta.

Como só serão aceitas as contribuições apresentadas pessoalmente em uma das cinco reuniões marcadas pelo Denatran, o Portal do Trânsito abriu um canal em que as pessoas puderam enviar suas sugestões, que serão compiladas e entregues pessoalmente, através de seu diretor Celso Alves Mariano.

“Recebemos muitas contribuições sérias de instrutores, diretores de ensino, psicólogos, agentes de trânsito, enfim, da sociedade em geral que entendeu que essa é uma oportunidade única para desempenhar enfim um papel de participação nesse processo”, explica Mariano.

Psicólogos

Muitos psicólogos preencheram o formulário do Portal do Trânsito com uma única sugestão de alteração: exigir a Avaliação Psicológica para a renovação da Autorização para Conduzir Ciclomotor e da Carteira Nacional de Habilitação.

De acordo com Patrícia Luz, psicóloga, como o ser humano é um ser em eterna mutação, seria indicado que o mesmo passasse por avaliação psicológica na hora da renovação de CNH. “Mudanças importantes e muito significativas acontecem na psique em cinco anos (tempo utilizado para realizar a renovação de CNH)”, justificou.

Lucelena Patricio Pizzi, que também é psicóloga, complementa que o ser humano pode sofrer doenças psíquicas, como síndrome do Pânico e outros tipos como um AVC, Alzheimer entre outras e continuar dirigindo. “Por esse motivo, se faz necessário essa avaliação”, explica.

Para Mariano, a contribuição dos psicólogos, assim como a dos demais, é extremamente válida. “É um olhar que apenas o profissional que atua diariamente na área pode ter. Que bom que sugestões, como essas, bem estruturadas, com argumentos e justificativas estão aparecendo. Entregaremos todas ao representante da Câmara Temática de Educação para o Trânsito, Habilitação e Formação de Condutores do CONTRAN com a certeza de missão cumprida”, diz o especialista.

A equipe do Portal do Trânsito está terminando de compilar esses dados e irá entregá-los durante a reunião de consulta pública que acontecerá no dia 12 de setembro, das 09h às 16h, no Auditório João Daudt, no Hotel SESC CAMPESTRE – RS, em Porto Alegre.

 

  • Camponez Frota

    Não nos surpreende que psicólogos venham pleitear junto ao DENATRAN, a obrigatoriedade de todos os motoristas realizarem exames psicológicos tanto na aquisição como nas renovações das habilitações. Por óbvio, são profissionais de determinada área do conhecimento perseguindo a abertura de espaço de trabalho, neste caso concreto na área do trânsito. Ora se todos os profissionais que entendem que é muito necessário a sua participação nos processos de aquisição de habilitação para dirigir veículos automotor forem pleitear junto ao DENATRAN, para ser obrigatória a avaliação de sua área de conhecimento, para os candidatos à CNH e suas renovações, é lógico que até mesmo técnicos em enfermagem, podólogos, cardiologistas, e teólogos estariam habilitados a pleitear tão promissora fonte de emprego e renda. Nosso país em particular e nosso povo em geral, sofre forte pressão das corporações de profissionais para obrigar os cidadãos a pagarem por serviços que, se avaliados com seriedade e coerência, seriam de pronto dispensados por, primeiro ter objetivo de imputar custos aos cidadãos, e segundo pela desnecessidade de execução por não haver dados estatísticos catalogados que afirmem ser fator de grande relevância tal exigência, ou obrigação. Os brasileiros estão cansados de pagar caro por serviços que, na sua grande maioria, em nada somam para melhorar as suas vidas, mas sim, deixá-los a cada dia com menor poder aquisitivo em razão de imposição legal de tributos sem retorno justificável e objetivo. Senhores psicólogos, procurem exercer as suas profissões sem que os cidadãos tenham que pagar por serviços impostos pelo poder público, nos quais os senhores serão os beneficiários da espoliação simples e pura pelos órgãos encarregados de conceder uma habilitação para dirigir. Por favor nos poupe em nome da razoabilidade.