Publicado em 01 de setembro, 2017 as 08h10.

Coordenador do Denatran defende as mudanças no processo de formação de condutores propostas pela nova 168

Francisco Garonce, Coordenador de Educação do Denatran, explica e defende as mudanças propostas pela minuta

Por Mariana Czerwonka.

Formação de condutores
O novo texto apresenta propostas para o processo de formação de condutores de veículos automotores e elétricos. Foto: Arquivo Tecnodata.

O Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN) publicou no dia 28/07 a minuta que irá substituir a Resolução 168/04 do CONTRAN, que trata do processo de formação e especialização de condutores no Brasil.

O novo texto apresenta propostas para o processo de formação de condutores de veículos automotores e elétricos, a realização dos exames, a expedição de documentos de habilitação, os cursos de formação, especializados e de reciclagem, fundamentado em teorias e práticas pedagógicas que sejam capazes de promover um trânsito mais seguro, no qual os condutores tenham condições de receber a devida formação.

A novidade é que o público em geral poderá participar das sessões da consulta pública e apresentar contribuições escritas à proposta.

O Portal do Trânsito entrevistou Francisco Garonce, que é Coordenador de Educação do Denatran, e participou da formulação do novo texto legal. Ele explicou que toda a estrutura foi montada para haver uma clareza nos procedimentos tanto educacionais quanto de avaliação. “A Resolução é para ser lida e entendida não apenas por especialistas, mas pelo cidadão”, disse Garonce.

Questionado sobre o possível aumento nos custos do processo de habilitação, Garonce disse que a Resolução não foi construída com o objetivo de aumentar ou reduzir o valor do curso. “O objetivo foi reunir pessoas que tem larga experiência na área de educação e na formação de condutores, para oferecer o que de melhor é possível ser feito hoje dentro de nossa realidade”, explicou.

 

Garonce falou também das principais mudanças que poderão ocorrer caso a minuta seja aprovada, como as aulas práticas para categoria A em via pública. “Essa é uma mudança que trará obrigatoriamente uma necessária qualificação do treinamento para que esse aluno possa demonstrar a sua real capacidade de conduzir em vias públicas”, afirma.

 

Para concluir o especialista falou sobre Curso Preventivo de Reciclagem e os prazos para a nova 168 entrar em vigor. Além disso, Garonce destacou o papel do CFC e do instrutor nesse futuro processo. “Para o CFC e o instrutor que são realmente comprometidos com a qualidade dos serviços que oferecem, essa resolução é uma solução. Ela traz de forma clara o que eles precisam fazer para atender a sua missão com qualidade”. O especialista lembrou também que há movimentos contrários à nova legislação. “O que está fortemente contra é aquele que não está disposto a cumprir integralmente a sua responsabilidade de formar o condutor com qualidade e segurança”, conclui.

  • Lorde Eduardo

    Concordo com as adequações, agora não dá para negar que haverá um aumento de custo para o cidadão. É óbvio que os ganhos na formação devem compensar e muito esse aumento, mas não dá para ficar maquiando que haverá um aumento com respostas vazias e pré formuladas. Falta ainda o principal, no qual nenhum órgão do SNT está realmente empenhado que é a implementação da Educação de Trânsito nas escolas, a partir da pré escola. Muda-se o processo, exige-se mais, os alunos cumprem as “obrigações”, são aprovados e vão as ruas, fazer o que eles querem e não o que aprenderam, por não ter uma cultura de trânsito formada. Ele se formou um condutor, porém nunca será um bom condutor, pq nunca aprendeu a ser antes um bom pedestre.