Publicado em 26 de fevereiro, 2017 as 08h54.

Cirurgias por traumas sobem entre 40% e 60% no carnaval

Por Mariana Czerwonka.

Alana Gandra

Repórter da Agência Brasil

Traumas no Carnaval
Aumentam também, significativamente, os traumas de mão, por quedas de pedestres portando garrafas cujo vidro se quebra ou por brigas, comuns nesta época.

Os acidentes de trânsito aumentam, em média, 40% durante o carnaval e, em consequência, as cirurgias ou serviços de trauma em todo o Brasil sofrem aumento médio de 40% a 60%, informou o diretor de Comunicação da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot), Carlos Cesar Vassalo. Em todos os estados, a entidade vai distribuir, durante o carnaval, o folheto Carnaval Sem Traumas, cujo foco  são as pessoas que dirigem depois de beber.

“Quando se fala em acidentes automobilísticos, é que aumenta o número de politraumatismos nos serviços de urgência. São pacientes que têm múltiplas fraturas ou traumas de crânio ou de bacia, locais de grande perda de sangue, e você tem que equilibrar hemodinamicamente esse paciente o mais rápido possível”. Na época de carnaval, os serviços de urgência precisam ser reforçados, com o aumento do número de ortopedistas para atendimento a esses pacientes.

Segundo Vassalo, no carnaval de 2016, por causa do bafômetro e da lei mais rigorosa, caiu de modo significativo o número de mortes nas rodovias federais. Foram 1.704 acidentes, com 1.643 feridos e 106 mortes; em 2015, esses números atingiram, respectivamente, 2.824, 1.849 e 116. O diretor da Sbot disse que em Belo Horizonte a média de cirurgias de urgência no carnaval sobe de 15 pacientes/dia para 22/dia.

Pedestres

Os médicos ortopedistas filiados à instituição totalizam 13 mil em todo o país, com maior concentração nos estados de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul. A Região Norte apresenta participação reduzida, em torno de 2% a 3%.

Aumentam também, significativamente, os traumas de mão, por quedas de pedestres portando garrafas cujo vidro se quebra ou por brigas, comuns nesta época, com risco de cortar um tendão ou nervo. Muitas vezes, alertou o diretor da Sbot nacional, esse trauma gera afastamento do trabalho e, eventualmente, sequelas para o resto da vida. “Ou seja, em um período curto de festa, um único acidente pode trazer problemas para o resto da vida. No carnaval, o álcool influencia tanto o pedestre quanto o motorista”, disse Vassalo.

Ele destacou que é muito comum também o folião, depois de beber, cair em bueiros destampados e sofrer fraturas que expõem os ossos, as chamadas fraturas expostas, que são potencialmente mais infectadas, porque a pele fica exposta à ação de bactérias. Isso gera maiores dificuldades no tratamento e na cicatrização. As quedas podem provocar ainda entorses graves de tornozelo e de joelho, com lesões nos ligamentos ou mesmo fraturas, que exigem tratamento cirúrgico.

Carlos Cesar Vassalo derrubou alguns mitos referentes à combinação de álcool e direção, segundo os quais basta lavar o rosto ou tomar um café para que a pessoa alcoolizada apresente melhoras. “Não. Realmente, o álcool só depende do metabolismo do corpo. São as horas que passam depois de beber é que fazem recuperar a condição”.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o maior número de acidentes de trânsito durante festas prolongadas ocorre em Minas Gerais, seguindo-se Santa Catarina, o Rio de Janeiro, São Paulo e o Paraná.

Conscientização

Para conscientizar a população sobre a importância da prevenção de acidentes nesse período, a regional Rio de Janeiro da Sbot está lançando a sétima edição da campanha Folia sem trauma. Não faça deste o seu último carnaval, que tem como lema Álcool e volante: uma mistura que não dá samba.

Dados da Secretaria Estadual de Saúde mostram que no período carnavalesco aumentam em cerca de 15% as cirurgias de urgência e emergência nos hospitais públicos do Rio. Em sua maior parte, esses casos têm origem em acidentes que envolvem pessoas embriagadas ou que falam ao celular e digitam enquanto dirigem.

O número de acidentes no estado aumenta 30% nesta época, segundo a Polícia Rodoviária. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) acrescenta que a ingestão de álcool ao volante é responsável por 65% dos acidentes. O cruzamento de dados do Sistema de Informação sobre Mortalidade, que recebe informações dos municípios, com o Instituto de Segurança Público, mostra que 9.404 internações registradas em hospitais da rede pública fluminense em 2015 estavam relacionadas a acidentes no trânsito e 2.273 mortes foram causadas por esse tipo de ocorrência.

O presidente da Sbot-RJ, José Paulo Gabbi, disse que a campanha visa a conscientizar a população para que brinque e aproveite o carnaval com responsabilidade, principalmente em relação à utilização de bebida alcoólica e à direção no trânsito. “Se a pessoa ingeriu bebida alcoólica, não deve, de forma alguma, dirigir”. A recomendação é de que o folião defina um motorista para dirigir naquela rodada ou chame um táxi. “Não dirigir, de forma alguma, alcoolizado, porque esse aumento de acidentes é por pessoas que ingeriram bebida alcoólica”. A consequência são os traumas e as fraturas, acrescentou.

Gabbi ressaltou que os acidentes de motocicleta são maioria no carnaval. “Hoje em dia, mesmo fora da época de carnaval, o índice de acidentes com fraturas é bem maior. E, nesta época, aumenta ainda mais”. Os motociclistas lideraram as internações em unidades da rede pública de saúde em 2015, incluindo condutores ou caronas. Naquele ano, segundo a Sbot, o Rio de Janeiro ocupou a 26ª posição no ranking nacional de mortes por acidentes com motos.

José Paulo Gabbi advertiu que embora o número de acidentes nas rodovias federais do Rio tenha diminuído mais de 50% em 2016, em comparação ao ano anterior, os casos de mortes nas estradas subiram 11%. Para ele, isso está relacionado à gravidade dos acidentes, porque apesar de ocorrerem menos colisões, elas são de maior impacto e letais.

Futebol

A Sbot-RJ elaborou uma cartilha, que está sendo divulgada nas redes sociais, com informações sobre as alterações que o álcool causa nas pessoas e mostrando a importância de elas não dirigirem após a ingestão de algum tipo de bebida alcoólica. Os folhetos educativos estão sendo distribuídos também nas dez clínicas que registram maior número de atendimentos de ortopedia no Rio.

A campanha ganhou o apoio também dos grandes clubes de futebol. Neste fim de semana, durante a semifinal do campeonato carioca, os jogadores do Vasco e do Flamengo entraram em campo com uma faixa alertando sobre a campanha e a divulgação do site, onde as pessoas podem ter acesso a mais informações.

As informações são da Agência Brasil

No tópico: Estatísticas