Publicado em 21 de maio, 2018 as 16h06.

Exclusivo: DENATRAN deve ser transformado em Secretaria Nacional de Trânsito

Por Celso Mariano.

O Diretor do DENATRAN e Presidente do CONTRAN Maurício Alves Pereira foi recebido no Sala de Visitas, programa do Portal do Trânsito, por Celso Alves Mariano, Diretor do Portal e especialista em trânsito, no último sábado, numa conversa aberta sobre o momento agitado do trânsito brasileiro.

Maurício Alves respondeu a 11 perguntas que refletem as dúvidas mais comuns de nossos internautas e também de colaboradores do Portal do Trânsito. Temas como a “nova Res. 168″/Res. 726, exame toxicológico, simuladores, placas padrão Mercosul, acúmulo de funções, fiscalização dos órgãos de trânsito e reciclagem preventiva, foram abordados nesta edição especial do quadro Sala de Visitas.

Uma revelação exclusiva: o DENATRAN deve ser transformado em breve em uma Secretaria Nacional de Trânsito. Maurício Alves comentou sobre a mudança significativa de patamar, dentro do Executivo. (aos 50 minutos do vídeo na íntegra)

E mais: Curitiba vai sediar um evento nacional, em setembro, durante a Semana Nacional de Trânsito, sobre trânsito e mobilidade, reunindo todos os principais órgãos do país. (aos 47 minutos do vídeo na íntegra)

No final da entrevista, Maurício Alves fala, emocionado, sobre qual é o trânsito que ele espera no futuro do Brasil.  

Você pode assistir o vídeo na íntegra ou em partes, conforme as perguntas.

Vídeo na íntegra:

Trechos:

1) A Resolução 726/18, que altera todo o processo de formação de condutores, volta ou não volta? Em que estágio está o estudo dessa Resolução no Contran? A audiência pública sobre as alterações na 168/04, que acontecerá na Câmara dos Deputados, pode influenciar nos “estudos” do Contran?

2) As várias suspensões e adiamentos de Resoluções têm gerado muitas críticas e um desgaste para a imagem do SNT – ou especificamente do Denatran/Contran. O que o senhor tem a dizer em relação a isso? (aos 14 minutos do vídeo na íntegra)

 

3) Placas Mercosul: porque é necessário mudar a padronização das placas no Brasil? Elas serão mais caras que as atuais? (aos 21 minutos do vídeo na íntegra)

4) Exame toxicológico: como o Denatran enxerga o exame toxicológico para os motoristas da categoria C, D e E, forma como está sendo feito realmente traz resultados efetivos? (aos 29 minutos do vídeo na íntegra)

5) Simuladores: muitos CFCs ainda não têm simuladores, por força de liminar. Qual a importância do simulador para o processo de formação de condutores? (aos 34 minutos do vídeo na íntegra)

6)  Funset: a percepção é de que não funciona, não se presta para o propósito original. Qual é o futuro do Funset? Teremos algum dia um substituto para o Funset? (pergunta de Mariana Czerwonka; aos 38 minutos do vídeo na íntegra) 

7) PNATRANS: ajuda ou atrapalha a Década de Ação da OMS, na medida em que desvia o seu foco de meta para 2028? (aos 42 minutos do vídeo na íntegra)

8) A coincidência dos cargos do Diretor Geral do DENATRAN e Presidente do CONTRAN estarem na mão de uma mesma pessoa, ajuda ou atrapalha? (aos 49 minutos do vídeo na íntegra)

9) O que DENATRAN tem feito para cumprir sua obrigação de supervisionar os órgãos delegados, prevista no Inciso II do Art. 19 do CTB? Em questões de sinalização é perceptível que há irregularidades por todo o país. (pergunta de Fabrício Medeiros) (aos 52 minutos do vídeo na íntegra)

10) Como o DENATRAN tem observado a inaplicabilidade, ainda, pela maioria dos Estados, da reciclagem preventiva, se já temos regulamentação há vários meses (se considerarmos a Deliberação 163)? Soa curioso que uma medida que beneficia o condutor profissional demore tanto para ser regulamentada e aplicada, pois não carece de grandes modificações, haja vista o curso ser o mesmo do condutor suspenso/cassado. (pergunta de Eduardo Cadore; aos 57 minutos do vídeo na íntegra)

11) Qual é o trânsito brasileiro que o senhor deseja para o futuro? (pergunta de J Pedro Correa; aos 60 minutos do vídeo na íntegra)

A criação da Secretaria Nacional de Trânsito pode vir com a provável aprovação da Medida Provisória nº 821/2018.