Publicado em 03 de janeiro, 2017 as 08h12.

Curso à distância para primeira habilitação pode mudar a formação de condutores no Brasil

Por Mariana Czerwonka.

Comissão de Viação e Transportes da Câmara aprovou um Projeto de Lei (1128/15) que permite que o curso teórico destinado à formação de condutores de veículos seja ministrado à distância. Não há dúvidas de que os cursos na modalidade EAD são ótimos para quando o objetivo é a aquisição de conhecimento e muito utilizados, inclusive em universidades. A pergunta é se esses cursos servem para a educação de trânsito?

Pesquisa realizada pelo Portal do Trânsito no ano passado mostrou que a maioria dos entrevistados não acredita que o curso à distância seja bom para a primeira habilitação. Para 85% das pessoas que responderam o questionamento, o curso deve continuar obrigatoriamente presencial. A justificativa é que o instrutor realiza um trabalho de conscientização que não pode e não tem como ser substituído. Outro problema levantado pelos entrevistados é a possibilidade de fraude.

Segundo a relatora do PL, deputada Magda Mofatto (PR-GO), o ensino a distância tornou-se bastante comum no País, sendo utilizado inclusive como ferramenta de cursos de nível superior. “Os cursos à distância representam uma facilidade para os alunos, uma vez que não os obriga a se deslocarem de casa ou do trabalho para assistirem às aulas”, sustentou.

Para o especialista em trânsito Celso Alves Mariano, o papel do instrutor é fundamental nesse processo.

“O instrutor bem preparado sabe perceber e ajustar sua abordagem conforme o nível de dificuldade de cada um de seus alunos e ainda aproveitar a diversidade das características individuais para beneficiar a todos. Isso é fácil quando se tem uma turma que se encontra todos os dias e muito difícil quando os alunos estudam isoladamente, e não se conhecem pessoalmente”.

Para o especialista, outro fator preocupante é que os brasileiros têm pouco hábito de estudarem sozinhos, o que fica evidenciado pelos índices de abandono nos cursos à distância, em geral 25% maiores do que os presenciais. “O trânsito é um ambiente social, por excelência. Seria um desperdício estudar sobre este assunto sozinho. Não combina”, finaliza Mariano.

O projeto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara.

Nós do Trânsito

Na 14º edição do programa “Nós do Trânsito” o Doutor em História Rodrigo Santos e o Especialista em Trânsito Celso Mariano analisam e discutem sobre esse tema.  “No curso de Primeira Habilitação, a aula presencial é extremamente relevante e adequada. O convívio com um instrutor experiente e com os colegas de turma é muito importante na formação do novo condutor”, conclui Mariano.

 

  • Reinaldo

    Essa deputada Magda Mofatto (PR-GO, não está de acordo com a realidade de nosso pais, parece que é favor das fraudes, do jeitinho brasileiro. Ministro aulas de transito, vejo, mesmo com com o bom material, presencial, os alunos, encontra várias dificuldades, no aprendizados. Porque essa deputada não apresenta um projeto que exija que as Leis de transito, sejam respeitadas na sua plenitude, isso garanto que não é de seu interesse, que procure fazer isso no seu estado de Goias, é falta do que fazer. esse políticos estão estrapolando os seus limites.

    • Antonio Edson P. Ribeiro

      Caro Reinaldo, penso que você esteja um pouco equivocado. O fato de você ministrar aulas de trânsito em autoescolas em cursos presenciais, não torna suas aulas melhores que aquelas que encontramos na internet. Primeiro porque chega um momento em que você cansa de fazer a mesma coisa por muito tempo, Segundo porque mesmo com a exigência legal de se fazer um total de 45 horas/aula entre aulas teóricas e práticas, os proprietários de autoescolas encontram um jeito de burlar o sistema que eu tenho certeza de que você sabe do que eu estou falando e que com certeza faz ou já fez parte. Terceiro, não importa se o aluno realiza o processo de 1ª habilitação presencial ou a distância. O que importa é que se ele não portar R$ 500,00 em mãos no dia do teste prático ele não passa.

      • Ricar Almeida

        Como você pode falar uma idiotice dessa. Você está generalizando. O papel do instrutor, principalmente o teórico é muito importante e fundamental na formação do condutor, e em alguns casos, melhoram até o caráter do individuo, pois há um relacionamento e uma interatividade com o instrutor e também outros alunos. É uma troca de informações e até de experiências fundamental para a formação do futuro instrutor.