Publicado em 27 de agosto, 2016 as 08h13.

Vídeo de encerramento do Maio Amarelo em Curitiba

Por Mariana Czerwonka.

O Maio Amarelo 2016 foi realizado no Paraná com uma intensa e diferenciada programação. Um talk show, conduzido pelo especialista em trânsito Celso Alves Mariano, debateu ideias e apresentou o trabalho da Câmara Setorial de Trânsito da Associação Comercial do Paraná e do Rotary Club Curitiba Centro, desenvolvido com parceiros como o ONSV, PMPR, DETRAN/PR e PRF, dentre outros.

Inaugurado em 1972, o calçadão da Rua XV de Novembro em Curitiba tem 1 Km de extensão e foi a primeira grande via pública exclusiva para pedestres do Brasil. Foi neste palco a céu aberto, com o mote #eusou+1DOADORDESANGUE, que no último dia 30 de maio Celso Mariano, que também é o Coordenador da Câmara de Trânsito da ACP, encerrou oficialmente a programação paranaense deste que se tornou o movimento social símbolo da luta por um trânsito melhor, o Maio Amarelo.

Em suas palavras o posicionamento aguçado de quem já foi Diretor de Educação da Secretaria Municipal de Trânsito de Curitiba e atua há 20 anos na Editora Tecnodata Educacional, sobre a dura realidade de nossas estatísticas de mortos e feridos no trânsito, nossa insensibilidade para o problema, a experiência de países que já passaram por isso, e sobre os caminhos para a solução.

Finalmente o especialista, que também é Diretor do Portal do Trânsito, afirma que a mutação passa necessariamente pela compreensão de quem somos nós no trânsito e que cada um tem um papel a desempenhar, citando o Projeto Salvando Vidas no Trânsito, do Rotary Club Curitiba Centro, como um exemplo do que pode ser feito.

O Coordenador da Câmara Setorial de Trânsito da Associação Comercial do Paraná, Celso Mariano, também entrevistou Patrícia Santos Pereira, que é funcionária da ACP.

A conversa foi sobre a participação do cidadão nesta luta para um trânsito mais humano. Cada um de nós pode contribuir, seguindo os princípios de segurança para evitar que os acidentes aconteçam. Mas quando eles acontecem, ainda assim, é possível ajudar, fazendo algo útil, nobre e necessário: dando sangue. Este foi o mote da campanha do Rotary Club Curitiba Centro e da ACP no Maio Amarelo 2016: #eusou+1DOADORDESANGUE.

Enquanto o talk show acontecia a céu aberto, em plena Rua XV de Novembro, vários doadores eram transportados até o Hemepar, para doar sangue em nome das vítimas de acidentes de trânsito. Mais do que um ato de caridade e cidadania, a ação pretendia sensibilizar as pessoas para o tamanho do problema da violência do trânsito, que sobrecarrega de forma significativa o sistema de saúde. Nos finais desumana e feriados, a ocupação da infra-estrutura de atendimentos de emergência chega a demandar 80% dos recursos das unidades de saúde.

Mais do que um problema de saúde publica, esse tipo de violência põe em cheque o que chamamos de avanço civilizatório: atualmente o trânsito mata mais do que as guerras e que muitas doenças graves. A ação teve adesão de muitos funcionários da ACP e das entidades que apoiaram o Maio Amarelo 2016 e, nas palavras dos muitos doadores, contribuiu para disseminar a ideia de que o trânsito é feito por todos, não é só por quem tem CNH.

No tópico: